segunda-feira, 30 de junho de 2008

Eu

0 comentários
Eu, eu mesmo...

"Eu, cheio de todos os cansaços
Quantos o mundo pode dar. –
Eu...
Afinal tudo, porque tudo é eu,
E até as estrelas, ao que parece,
Me saíram da algibeira para deslumbrar crianças...
Que crianças não sei...
Eu...
Imperfeito? Incógnito? Divino?
Não sei...
Eu...
Tive um passado? Sem dúvida...
Tenho um presente? Sem dúvida...
Terei um futuro? Sem dúvida...
A vida que pare de aqui a pouco...
Mas eu, eu...
Eu sou eu,
Eu fico eu,
Eu..."
(Fernando Pessoa)

domingo, 29 de junho de 2008

aviso para família...

0 comentários
MAMÃE.COM

1ª. Convenção Familiar - Temporada 2008

Queridos Filhos,

Em primeiro lugar, Mamãe gostaria de agradecer a presença de todos nesta Primeira Convenção Familiar. Mamãe sabe como foi difícil abrir um espaço nas agendas de cada um de vocês: Papai tinha uma lavagem de carro praticamente inadiável, Júnior já tinha marcado de se trancar no quarto, Carol estava para receber pelo menos três telefonemas importantíssimos de uma hora e meia cada um. Mamãe está comovida. Muito obrigada.

Bem, conforme Mamãe já tinha mais ou menos antecipado, esta convenção é para comunicar ao público interno - Papai, Júnior e Carol - todas as modificações nos produtos e serviços da linha Mamãe. Como vocês sabem, a última vez que Mamãe passou por reformulações foi há 14 anos, com o nascimento do Júnior. De lá para cá, os hábitos e costumes, o panorama cultural, a economia e o mercado passaram por transformações radicais. Mamãe precisa acompanhar a evolução dos tempos, sob pena de ver sua marca desvalorizada. Para começar, Mamãe vai mudar a embalagem. Mamãe sabe que esta é uma decisão polêmica, mas, acreditem, é o que deve ser feito. Mamãe sai desta convenção direto para um spa, e de lá para uma clínica de cirurgia plástica. Nada assim tão radical. Haverá pouquíssimas alterações de rótulo, vocês vão ver. Mamãe vai continuar com praticamente o mesmo formato, só que com linhas mais retas em alguns lugares e linhas mais curvas em outros. Calma, Papai! Mamãe já captou recursos no mercado. Mamãe vai ser patrocinada por uma nova marca de comida congelada. Lei Rouanet, porque Mamãe também é cultura.

Junto com o lançamento da nova embalagem de Mamãe, no entanto, acontecerá o movimento mais arriscado deste plano de reposicionamento. Sinto informar, mas Mamãe vai tirar do mercado o produto Supermãe. Não, não, não adianta reclamar. Supermãe já deu o que tinha de dar. Trata-se de um produto anacrônico e superado, antieconômico e difícil de fabricar. Mamãe sabe que o fim da Supermãe vai aumentar a demanda pela linha Vovó, que disputa o mesmo segmento. Paciência. Você não pode atender todos os públicos o tempo todo. No lugar da Supermãe, Mamãe vai lançar (queriam que eu dissesse 'vai estar lançando', mas eu me recuso) novas linhas de produtos mais adequados à realidade de mercado. Vocês vão poder consumir Mamãe nas versões Active (executiva e profissional), Light (com baixos teores de pegação de pé), Classic (rígida e orientadora), Italian (superprotetora) e Do-It-Yourself (virem-se, fui passear no shopping). Mas uma de cada vez, sem misturar. Ah, sim, Mamãe detesta esses nomes em inglês, mas me disseram que, se não for assim, não vende.

Mamãe gostaria de aproveitar a oportunidade para lançar seus novos canais de comunicação. De hoje em diante, em vez de sair gritando pela casa, vocês vão poder ligar para o SAC-Mamãe, um 0300 que dá direto no meu celular (apenas 27 centavos por minuto, mais impostos). Mamãe também aceita sugestões e críticas no endereçomamae@mamae.net

Mais uma vez, Mamãe agradece a presença e a atenção de todos.
(Ricardo Freire)

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Nefertari

0 comentários
A preferida

Nefertari foi uma grande rainha egípcia, esposa de Ramsés II faraó do Egipto, cujo nome significa a mais bela, a mais perfeita e é muitas vezes seguida pelo epíteto amada de Mut.
Os pais de Nefertari são desconhecidos, pressupõe-se que a sua origem foi uma familia humilde.
Ramsés II desposou-a antes de suceder a Seti I e embora este tenha vivido muito mais tempo que ela e tido outras mulheres esta foi sempre designada excepcionalmente como a favorita.
Existem registos da sua presença numa festa em Luxor onde foi apresentada nos seguintes termos:
A princesa, rica em louvores, soberana da graça, doce no amor, senhora das duas terras, a perfeita, aquela cujas mãos seguram os sistros, aquela que alegra o seu pai Ámom, a mais amada, a que usa a coroa, a cantora de belo rosto, aquela cuja palavra dá plenitude. Tudo quanto pede se realiza, toda a realidade se cumpre em função do seu desejo e conhecimento, todas as suas palavras despertam alegria nos rostos, ouvir a sua voz permite viver.
Interpretando as escrituras à letra Nefertari teria dado quatro filhos e duas filhas a Ramsés II. Mas, por vezes, a noção de filho corresponde a um titulo. Ao longo do seu reinado, Ramsés II adoptou um número consideravel de filhos régios e filhas régias, o que levou certos egiptólogos a crer que tinha sido um procriador proverbial.
No primeiro ano do seu reinado Nefertari foi associada a actos importantes. Logo após ter participado na coroação do seu esposo Ramsés II ela foi levada a apresentar-se perante ele em Abidos numa cerimónia em que Nebunenef foi nomeado sumo sacerdotede Amon, assegurando assim a fidelidade deste rico e poderoso clero tebano.vê-se nas inscrições egipcias as famosas festas de Min, onde a rainha fazia o ritual das sete voltas em torno do trono do faraó proferindo as formulas mágicas para perpetuar a prosperidade das Duas terras. Este era um ritual sagrado do estado.


Tal como outras rainhas antes, Nefertari exerceu um importante papel nas negociações de paz com os povos vizinhos, nomeadamente com os hititas, correspondendo-se com a sua homóloga a rainha do Hatti.
Nefertari também possue sua câmara funerária em Luxor, uma das mais ricamentes decoradas a qual recentemente esteve fechada para restauração feita por egiptólogos.
A infiltração de água de uma fazenda vizinha comprometia as maravilhosas pinturas do interior da câmara. 

O complexo de Abu Simbel é constituído por dois templos. Um maior, dedicado
ao faraó Ramsés II e aos deuses Ra-Harakhty, Ptah e Amun, e um menor, dedicado à deusa Hathor, personificada por Nefertari, a mais amada esposa de Ramsés II  entre todas que possuía. Ramses teve oito esposas durante seu reinado, mas foi para ela que escreveu poemas de amor, um dos primeiros poemas de amor da história.       
    
                                                                       
Escreve ele em seu poema gravado nas paredes de sua tumba:

" A PRINCESA RICA EM ENCANTOS,
SENHORA DO AFETO, MEIGA DE AMOR, DONA DE DUAS TERRAS.
POETISA DE LINDO SEMBLANTE
A MAIOR NO HAREM DO SENHOR DO PALACIO.
TUDO QUE DIZEIS SERA FEITO PARA VÓS.
TODAS AS COISAS BONITAS DE ACORDO COM VOSSO DESEJO.
TODAS AS VOSSAS PALAVRAS TRAZEM ALEGRIA A FACE.
PORISSO OS HOMENS ADORAM OUVIR TUA VOZ."
(Ramsés II)


fontes:Wikipédia, a enciclopédia livre.
              geocities.com

As 7 maravilhas do mundo antigo

0 comentários


As 7 Antigas Maravilhas foram escolhidas, obviamente, pelos gregos, mas a origem da lista das antigas 7 maravilhas ainda continua sendo um mistério, alguns atribuem a lista aos historiadores gregos Heródoto ou Antípatro de Sídon, outros atribuem ao Philon de Bizâncio que foi um importante engenheiro grego da Antigüidade, seu livro “De Septem Orbis Miraculis” é um dos poucos documentos que trazem a lista original das Sete maravilhas do Mundo Antigo e incluía:

  • 1. os Jardins Suspensos da Babilônia(Iraque),
  • 2. a Estátua de Zeus(Grécia),
  • 3. o Templo de Ártemis(Turquia),
  • 4. o Colosso de Rhodes(Grécia),
  • 5. o Mausoléu de Halicarnasso(Turquia),
  • 6. o Farol de Alexandria(Egito),
  • 7. as Pirâmides do Egito(Egito).
fonte e fotos: retirada da internet

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Lele

1 comentários
"Há 21 anos atrás, ganhei o 1º dos dois anjos que 
Deus me deu....era mto bom sentir seu coração batendo dentro de mim...
como podemos amar algo que nunca vimos?? Mas amava e um amor que jamais
havia sentido....incondicional, extraterreste, impressionante, estranho, inexplicável, 
louco...que só uma mãe sente por seus filhos....
quando a sua carinha conheci, me apaixonei de novo....um bebê lindo!!
e toda aquela paixão triplicou, como pode tanto amor assim?
ahhh se pode e desde então isso só vem aumentando, aumentando, aumentando.
Te amo, muito, vc trouxe mais vida, para a minha vida, e mais razão para se viver!! "
(mamãe-26.06.2008)



segunda-feira, 23 de junho de 2008

Martha Medeiros

0 comentários






















"Quem você pensa que é?
perguntou pra mim de queixo em pé...
Sou forte,
fraca,
generosa,
egoísta,
angustiada,
perigosa,
infantil,
astuta,
aflita,
serena,
indecorosa,
inconstante,
persistente,
sensata e corajosa,
como é toda mulher,
poderia ter respondido,
mas não lhe dei essa colher."

Museu do Ipiranga

0 comentários
Museu Paulista da Universidade de São Paulo

Poucos meses após a proclamação da Independência, em 7 de setembro de 1822, surgiu a primeira proposta, seguida de inúmeras outras de erigir um monumento à Independência do Brasil no próprio local onde ela havia sido proclamada, às margens do riacho do Ipiranga. Por falta de verbas e de entendimentos quanto ao tipo de monumento a ser erigido, é somente após sessenta e oito anos da proclamação que a idéia se concretiza, com a inauguração do edifício-monumento, em 1890.

Em 1884 é contratado, como arquiteto, o engenheiro italiano Tommaso Gaudenzio Bezzi, que, no ano anterior, havia apresentado o projeto de um monumento-edifício para celebrar a Independência. O estilo arquitetônico adotado, o eclético, havia muito estava em curso na Europa e viria marcar, a partir do final do século XIX, a transformação arquitetônica de São Paulo. Valendo-se de uma das principais características do ecletismo, a recuperação de estilos arquitetônicos históricos Bezzi utilizou, de forma simplificada, o modelo de palácio renascentista para projetar o monumento.

Os primeiros jardins em torno do edifício, formados entre 1908 e 1909, foram projetados pelo paisagista belga Arsenius Puttemans e reproduzem concepções paisagísticas inspiradas nos jardins barrocos franceses, como os de Versailles. Em 1922, esses jardins foram ampliados em 1500 m2, passando a atingir o início da Av. D.Pedro I e na década de 30, sofreram novas intervenções, com o rebaixamento da área em frente à fachada principal.Da construção do monumento encarregou-se outro italiano, Luigi Pucci, responsável pela contratação da mão-de-obra necessária, pela compra de materiais e por fazer cumprir as determinações técnicas e ornamentais do projeto do engenheiro Bezzi. A preocupação com a fidelidade fez com que Bezzi executasse uma maquete em gesso, reproduzindo os detalhes arquitetônicos e de ornamentação. A monumentalidade do edifício demandou soluções originais no encaminhamento dos trabalhos: a mão-de-obra contratada era, muito provavelmente, italiana, visto não existirem, em São Paulo, nessa época, trabalhadores familiarizados com execução de ornatos. A técnica do tijolo também constituía uma novidade; em São Paulo ainda predominavam as construções em taipa, de dois tipos: a taipa de pilão e a taipa de mão, conforme a maneira de socar o barro. Mas havia já olarias na região de São Caetano, próxima do Ipiranga, de onde vieram os tijolos do edifício.
A distância dificultava em muito o transporte dos materiais construtivos. Para minimizar esses problemas, foi criada a estação de trens do Ipiranga, na linha S. Paulo Railway, nas proximidades do Rio Tamanduateí. A partir dali os materiais subiam as colinas, provavelmente em carretas.

Em 1890, as obras foram dadas por encerradas, embora houvesse ainda razoável soma de tarefas por completar, como a implantação dos jardins. A inauguração foi celebrada no dia 15 de novembro daquele mesmo ano, no primeiro aniversário da República.
fonte:www.mp.usp.br/

Essências

1 comentários
Perfumes

Idade Antiga
Dá-se o surgimento da primeira fórmula conhecida de perfume, e isso ocorreu devido a Deus da à missão a Moséis de produzir um incenso perfumado, isso pode ser constatado numa passagem bíblica.

Idade Média
Os árabes começaram a produzir perfumes para uso pessoal e medicinal. O perfume Chega à Europa, no século XII com as cruzadas. No ano de 1370, origina-se o primeiro perfume alcoólico, produzido especialmente para a rainha Elizabeth, da Hungria.

Idade Moderna
Em 1600 se dá o surgimento dos primeiros perfumes europeus, eram sinônimos de nobreza, pois somente os reis, as rainhas e os membros da corte poderiam usar.

Idade Contemporânea
A perfumaria se desenvolve, e o perfume deixa de ser exclusividade de poucos, ou seja, a classe média passa a ter acesso a esse produto.

****

Classificação dos Perfumes
Os perfumes classificam-se, segundo o Comitê Francês do Perfume, em sete grupos fundamentais. A elaboração técnica de uma fórmula é idêntica tanto para os perfumes femininos quanto para os Eaus de Toilette masculinos.
Dê uma olhada nas classificações abaixo e descubra com qual você mais se identifica.

Cítricos:
São óleos obtidos da casca de frutas como a bergamota, o limão e a laranja. É nesse grupo que se encontram as primeiras Águas de Colônia.

Florais:
Família de grande importância, agrupa perfumes cujo tema principal é a flor. Se subdivide em bouquet floral, floral verde, floral aldeídico, floral amadeirado, entre outros.

Filifolhas (feto):
Compreendem um acordo entre notas de lavanda, bergamota, gerânio etc.

Chipre:
Esse termo provém do perfume assim batizado por François Coty em 1917. O êxito de Chipre o tem convertido no pai de uma grande família que reagrupa perfumes baseados principalmente nos acordes do patchouli, da bergamota e da rosa.

Amadeirados:
São notas suaves como o sândalo e o patchouli, algumas vezes secas como o cedro e o vetiver. A princípio se constituem, na maioria das vezes, com notas de lavanda e notas cítricas.

Âmbar:
Muitas vezes chamados de "orientais", fazem parte desse grupo os perfumes com notas suaves e abaunilhadas.

Couro:
Trata-se de uma fórmula muito particular por ser um perfume diferente da maioria. Com notas secas (às vezes muito secas), tentam reproduzir o odor característico do couro, da madeira queimada e do tabaco.

****

Os Egípcios foram o primeiro povo a fazer uma utilização sistemática do perfume. O seu fabrico era considerado uma graça de Deus, sendo por isso confiado aos sacerdotes, que utilizavam os perfumes diariamente no culto ao deus-sol.
Mas começa também a generalizar-se a utilização pessoal do perfume, tendo para isso os Egípcios criado um original sistema, pequenas caixas que se usavam atadas na cabeça e que continham uma fragrância que se dissolvia lentamente perfumando o rosto. Tinha também a função de afastar os insectos.

A rainha Cleópatra, ela própria autora de um tratado de cosmética infelizmente perdido, untava as suas mãos com óleo de rosas, açafrão e violetas - o kiafi - e perfumava os pés com uma loção feita à base de extractos de amêndoa, mel, canela, flor de laranjeira e alfena.
Até os mortos, durante o processo de embalsamamento, eram ungidos com essas misturas. Quando o túmulo do rei Tutankámon foi aberto, encontraram-se no seu interior maravilhosos vasos de alabastro que conservavam ainda a essência perfumada que havia sido colocada neles há cerca de 5 mil anos.

A refinada civilização grega importava perfumes de diferentes partes do mundo, sendo os mais apreciados e caros os oriundos do Egipto. Mas também criaram uma técnica própria de perfumaria, chamada maceração, em que o óleo vegetal ou a gordura animal eram deixados durante algumas semanas em repouso juntamente com flores, para lhe absorver os óleos essenciais.
Há 2400 anos, certos escritos gregos recomendavam hortelã-pimenta para perfumar braços e axilas, canela para o peito, óleo de amêndoa para mãos e pés, e extracto de manjerona para o cabelo e as sobrancelhas.
O uso do perfume foi levado a um tal extremo pelos jovens que o legislador Sólon chegou a proibir a venda de óleos fragrantes.

Tal como os gregos, os Romanos eram grandes apreciadores de perfume, usando-o nas mais diversas situações. Como resultado das suas conquistas militares, os Romanos foram assimilando não só novos territórios, mas também novas fragrâncias, procedentes das suas campanhas em terras distantes e exóticas, aromas desconhecidos até então, como a glicínia, a baunilha, o lilás ou o cravo. Também adoptaram o costume grego de preparar óleos perfumados à base de limão, tangerinas e laranjas.

Esta paixão pelo perfume esteve na origem do aparecimento do poderoso grémio dos perfumistas, os famosos e influentes ungüentarii, que fabricavam três tipos de unguentos: sólidos, cujo aroma contava com um único ingrediente de cada vez, como a amêndoa ou o marmelo; os líquidos, elaborados com flores, especiarias e resinas trituradas, num suporte oleoso; e perfumes em pó, feitos com pétalas de flores que depois se pulverizava e aos quais se juntavam certas especiarias.
Os nobres romanos possuíam inclusivamente escravos para os massajarem e untarem com essências perfumadas e era costume os soldados perfumarem-se antes de entrar em combate.
Conta-se que Nero, no século I d. C., na organização de uma festa, gastou mais de 150 mil euros, em valores actuais, em essências para si mesmo e para os convidados. E, no enterro de sua mulher Pompeia, gastou o perfume que os perfumistas árabes eram capazes de produzir num ano. Chegou ao extremo de perfumar até as suas mulas.

O rei Luis XIV da França, proibiu os banhos públicos por causa da prostituição. Não é cultura francesa tomar banho, se preocupavam mais com as roupas, perucas e luvas. O motivo do sucesso dos perfumes, é que eram usados constantemente nas perucas e luvas.



eau......................80% álcool, 20% a 40% de essência

colônia..................80% álcool, 2% de essência



fonte: Equipe Brasil Escola.com
Americanas.com
Anotações pessoais


gifs

0 comentários

(gif BlogdoDavi)

domingo, 22 de junho de 2008

Dia chuvoso 2

0 comentários
 

"Meto-me para dentro, e fecho a janela.
Trazem o candeeiro e dão as boas noites,
E a minha voz contente dá as boas noites.
Oxalá a minha vida seja sempre isto:
O dia cheio de sol, ou suave de chuva,
Ou tempestuoso como se acabasse o Mundo,
A tarde suave e os ranchos que passam
Fitados com interesse da janela,
O último olhar amigo dado ao sossego das árvores,
E depois, fechada a janela, o candeeiro aceso,
Sem ler nada, nem pensar em nada, nem dormir,
Sentir a vida correr por mim como um rio por seu leito,
E lá fora um grande silêncio como um deus que dorme."
(Alberto Caeiro [Fernando Pessoa] - 'O guardador de rebanhos')

olhar o mundo por uma janela

1 comentários






Leopoldina...genealogia

0 comentários


"Se o mundo do futuro se abre para a imaginação mas não nos pertence mais, o mundo do passado é aquele no qual, recorrendo a nossas lembranças, podemos buscar refúgio dentro de nós mesmos, debruçar-nos sobre nós mesmos e nele reconstruir nossa identidade; um mundo que se formou e se revelou na série ininterrupta de nossos atos durante a vida, encadeados uns nos outros, um mundo que nos julgou, nos absolveu e nos condenou para depois, uma vez cumprido o percurso de nossa vida, tentarmos fazer um balanço final.
É preciso apressar o passo. O velho vive de lembranças e em função das lembranças, mas sua memória torna-se cada vez mais fraca. O tempo da memória segue um caminho inverso ao do tempo real: quanto mais vivas as lembranças que vêm à tona de nossas recordações, mais remoto é o tempo em que os fatos ocorreram. Cumpre-nos saber, porém, que o resíduo, ou o que logramos desencavar desse poço sem fundo, é apenas uma ínfima parcela da história de nossa vida. Nada de parar. Devemos continuar a escavar! Cada vulto, gesto, palavra ou canção que parecia perdido para sempre, uma vez reencontrado, nos ajuda a sobreviver."
(Norberto Bobbio - filósofo e jurista italiano - *18 out 1909-Torino  †09 jan 2004-Torino)

sábado, 21 de junho de 2008

artista

0 comentários
Salvador Dalí
o mestre da arte surrealista


Salvador Domingo Felipe Jacinto Dalí i Domènech nasceu em 11 de maio de 1904, na cidade espanhola de Figueres (Catalunha). Foi um dos mais importantes artistas plásticos (pintor e escultor) surrealistas da Espanha.

Desde a infância, Dalí demonstrou interesse pelas artes plásticas. No ano de 1921, entrou para a Escola de Belas Artes de São Fernando, localizada na cidade de Madri. Porém, em 1926, foi expulso desta instituição, pois afirmava que ninguém era suficientemente competente para o avaliar.

Nesta fase da vida, conviveu com vários cineastas, artistas e escritores famosos, tais como: Luis Bruñel, Rafael Alberti e Frederico Garcia Lorca.

Em 1929, viajou para Paris e conheceu Pablo Picasso, artista que muito influenciou a produção artística de Dalí. No ano seguinte, começou a fazer parte do movimento artístico conhecido como surrealismo.A década de 1930 foi um período de grande produção artística de Dali. Nesta fase, o artista representava imagens do cotidiano de uma forma inesperada e surpreendente. As cores vivas, a luminosidade e o brilho também marcaram o estilo artístico de Dali. Os trabalhos psicológicos de Freud influenciaram muito o artista neste período É desta fase uma de suas obras mais conhecidas “A persistência da Memória”, que mostra um relógio derretendo.

Em 1934, Dali casou-se com uma imigrante russa chamada Elena Ivanovna Diakonova, conhecida como Gala.

Em 1939, foi expulso do movimento surrealista por motivos políticos. Grande parte dos artistas surrealistas eram marxistas e justificaram a expulsão de Dalí, alegando que o artista era muito comercial.

Em 1942, Dali e sua esposa foram morar nos Estados Unidos, país em que permaneceu até 1948. Voltou para a Catalunha em 1949, onde viveu até o final de sua vida.

Em 1960, Dali colocou em prática um grande projeto: o Teatro-Museo Gala Salvador Dali, em sua terra natal, que reuniu grande parte de suas obras.

Em 1982, com a morte de sua esposa Gala, Dali entrou numa fase de grande tristeza e depressão. Parou de produzir e se recusava a fazer as refeições diárias. Ficou desidratado e teve que ser alimentado por sonda. Em 1984, tentou o suicídio ao colocar fogo em seu quarto. Passou a receber o cuidado e atenção de seus amigos.

Dali morreu na cidade de Figueres, em 23 de janeiro de 1989, de pneumonia e parada cardíaca.


Principais obras de Salvador Dalí:
1922 - Cabaret Scene e Night Walking Dreams
1925 - Large Harlequin and Small Bottle of Rum
1926 - Basket of Bread e Girl from Figueres
1927 - Composition With Three Figures e Than Blood
1929 - O Grande Masturbador
1929 - Os Primeiros Dias da Primavera
1931 - A Persistência da Memória
1931 - A Velhice de Guilherme Tell
1932 - O Espectro do Sex Appeal,
1932 - O Nascimento dos Desejos Líquidos
1932 - Pão-antropomorfo catalão
1933 - Gala Com Duas Costeletas de Carneiro em Equilíbrio Sobre
o Seu Ombro
1936 - Canibalismo de Outono
1936 - Construção Mole com Feijões Cozidos
1938 - España 1938
1937 - Metamorfose de Narciso
1937 - Girafa em Chamas
1940 - A Face da Guerra
1943 - Poesia das Américas
1944 - Galarina e Sonho Causado Pelo Voo de uma Abelha
ao Redor de Uma Romã um Segundo Antes de Acordar
1945 - A Cesta do Pão
1946 - A Tentação de Santo Antônio
1949 - Leda Atômica
1949 - Madona de Portlligat.
1951 - Cristo de São João da Cruz
1954 - Crucificação ("Corpus Hypercubus")
1956 - Natureza-Morta Viva
1958 - Rosa Meditativa
1959 - A Descoberta da América por Cristóvão Colombo
1970 - Toureiro Alucinógeno
1972 - La Toile Daligram
1976 - Gala Contemplando o Mar
1983 - The Swallow's Tail.

Fonte: Sua Pesquisa.com



quinta-feira, 19 de junho de 2008

um pouco da China

1 comentários

China

Sua população é de mais de 1 bilhão e 300 mil habitantes.
A língua é o mandarim e sua capital Pequim é onde se encontra a Cidade Proibida, onde moravam os imperadores "os deuses na terra". Proibida a cidade, porque não era permitido a entrada do povo. 
Império esse que durou mais de 2.000 anos, sendo o último imperador um menino, quando Mao Tse Tung estabeleceu a Republica Socialista(comunista) da China em 1.949.
Para os chineses, como curiosidade, o nº 9, é ou era, o nº do imperador, significa poder, força e masculino, era também o nº de reverências feitas na frente do imperador.

A Praça da Paz Celestial tem de um lado a Cidade Proibida e do outro o Mausoléu de Mao Tse Tung, com seu corpo preservado, falecido em 1.976, recebe até hoje flores e é idolatrado pelo povo. Foi nessa praça que aconteceu a Revolução dos Estudantes em 1.989, onde o exército entrou com tanques militares e matou várias pessoas.

Pequim é a cidade de maior concentração de bicicletas. Na China há 1/3 das bicicletas do mundo. E também é na China que se encontra uma das maravilhas da época atual "As Muralhas da China", construídas para impedir a entrada dos inimigos, há mais de 2.000 anos, pelo 1º imperador, mas finalizada pela Dinastia Ming, durante 200 anos, são mais de 7.000kms de muralha. É também na China(Pequim) a próxima Olimpíada de 2008. 

A idade da história...

0 comentários
  • Pré-história
  1. Era paleolítica(pedra antiga): pedra lascada, até cerca de 10.000 ac, utilização do fogo, surge o Cro-Magnom(*)
  2. Era neolítica(pedra nova): pedra polida, 10.000 a 5.000ac
  3. Idade dos metais: cobre, bronze e ferro, de 5.000 a 4.000ac
  • Antiguidade
4.000ac a 476dc, início com a criação da escrita pelos Sumérios

  • Idade Média
476, início com a queda do Império Romano Ocidental

  • Idade Moderna
1453, início com a queda de Constantinopla, Império Romano Oriental

  • Idade Contemporânea
1789, início com a Revolução Francesa


(*)O Cro-Magnon são os restos mais antigos conhecidos na Europa de (Homo sapiens), a espécie à qual pertencem todos os humanos modernos.


quarta-feira, 18 de junho de 2008

Principado de Mônaco

0 comentários

Gentílico: monegasco
Capital- Monaco-Ville 
(Mônaco é uma cidade e um Estado)
Língua oficial- Francês. 
Fala-se também o dialeto monegasco, o italiano, e o inglês.
Governo Monarquia constitucional- Príncipe Albert II
 Primeiro-ministro Jean-Paul Proust
 Independência 8 de janeiro de 1297 
Área- Total 1,95 km² 
População- Estimativa de 2005 32.409 hab. 
 Densidade- 16.620 hab./km² 
Renda per capita- $30,000 
Esper. de vida Est. 79,82 anos (º)
Moeda Euro (EUR)
 Clima- temperado mediterrânico






O Principado de Mónaco ou Principado de Mônaco é um microestado situado no sul da França e faz costa com o mar Mediterrâneo. Possui aproximadamente uma área de dois quilómetros quadrados e é o estado com a densidade populacional mais alta do Mundo. Mônaco é um dos seis microestados da Europa.

Mônaco é o segundo menor país do mundo ficando apenas atrás da Cidade do Vaticano. Fica localizado no Sul da França (Costa Azul) a dezoito quilômetros de Nice e perto da fronteira com a Itália
Mônaco foi contemplado pela bela vista do Mediterrâneo. Seu litoral atrai muitos turistas.
O Principado possui um clima mediterrânico quente com verões suaves e invernos amenos.

**História**
A área hoje ocupada pelo Principado de Mônaco era já habitada desde a pré-história. Um rochedo, projetado sobre as águas do Mar Mediterrâneo, serviu de refúgio a várias populações primitivas. Os lígures, primeiros habitantes sedentários da região, eram montanheses acostumados a trabalhar em condições adversas.
A região foi ocupada por fenícios, gregos e cartagineses, e em seguida pelos romanos. No final do século II a.C. Mônaco passou a ser parte da Província dos Alpes Marítimos. Durante a ocupação, os romanos edificaram em La Turbie o “Troféu de Augusto”, que celebra o triunfo de suas campanhas militares. Durante este mesmo período marinheiros fenícios e cartagineses trouxeram prosperidade à região. Mônaco foi anexado por Marselha e cristianizada no século I.
A partir da queda do Império Romano, no século V, a região foi invadida a intervalos regulares por diversos povos. No século VII tornou-se parte do reino lombardo e no século seguinte, do reino de Arles. Esteve sob dominação muçulmana após a invasão dos sarracenos à França. A partir do século X, após a expulsão dos sarracenos pelo Conde de Provença, a região começou a ser povoada pouco a pouco.
Em 1191, o território do que é hoje Mônaco foi cedido a Génova como colónia. Em 8 de dezembro de 1297 os Grimaldi, uma família de exilados de origem genovesa, ligou-se à fortaleza e colocou a primeira pedra da praça fortificada (hoje o palácio principesco). Seu chefe, Fulco del Castello, obteve do imperador Henrique VI o reinado do conjunto de terras que rodeiam o Rochedo de Mônaco e para atrair uma população estável, concedeu uma série de vantagens como a concessão de terras com isenção de impostos. A partir de então, a região se converteu no objetivo de luta entre os dois grandes partidos de Génova: os gibelinos (partidários do imperador) e os guelfos (fiéis ao papa) aliados dos Grimaldi.
Em 1331 Carlos I reconquistou a região e adquiriu as possessões dos Spinola, aliados dos gibelinos, além dos domínios de Menton e Roquebrune. Carlos I é considerado por muitos o verdadeiro fundador do principado, e o primeiro senhor de Mônaco. Carlos I morreu em 1357 e seu filho Rainier II combateu aos genoveses até que em1489 o Rei da França e o Duque de Sabóia reconheceram a soberania de Mônaco.
Em 1612 Honorato II passou a usar o título de Príncipe e Senhor de Mônaco. Em setembro de 1641, após uma década de negociações, Honorato II e Luís XIII da França firmaram o Tratado de Peroné, pelo qual reconheciam o direito de soberania de Mônaco. O reino da França assegurou então sua proteção ao Príncipe de Mônaco. No mesmo ano os espanhóis foram expulsos do principado.
Durante a Revolução Francesa o principado foi anexado à França. Em 1815, no Congresso de Viena, Mônaco recuperou parcialmente sua independência, após ser declarado território protetorado do Reino da Sardenha, e em1860, o Tratado de Viena devolveu a soberania total monegasca, que foi ratificada em 1861. O Príncipe Carlos III decidiu atrair a alta sociedade internacional para contibuir com o progresso econômico do principado. Em 1863 abriu o primeiro cassino, e em 1866 o centro Monte Carlo.
(Embora o glamour dos seus casinos seja associado ao país, eles representam apenas 3% da receita de Mônaco.)
Carlos III governou de 1856 a 1889. Seu filho Alberto I promulgou a primeira constituição em 1911.
Em 1918 um tratado serviu para delimitar a proteção da França sobre Mônaco. O tratado estabeleceu que a política monegasca estaria alinhada à da França, da mesma forma que os interesses militares e econômicos, bem como que, se caso a família Grimaldi não continue a sua linhagem, o principado será absorvido pela França.
É por isso que os Grimaldi, têm mantido, usando todas as armas, a continuação da família, que teve a linhagem masculina interrompida pelo menos uma vez, no final do século 19, quando o príncipe Louis II governava o país.
Para resolver a questão, Louis II reconheceu uma filha ilegítima, Louise-Juliette, nascida em 1898.
A princesa Louise-Juliette, então, casou-se com o conde Pierre em 1920, que aceitou trocar o sobrenome Polignac para Grimaldi, seguindo a linhagem familiar. Do casamento nasceram dois filhos, Antoinette [que nasceu em 1921] e Rainier, que veio a substituir o avô no governo de Mônaco, após a morte de seu pai e a abdicação de Louise-Juliette em favor do filho, que à época tinha 25 anos.
A história de Louise-Juliette é ocultada da maioria dos livros de história de Mônaco, que não citam, por exemplo, que sua mãe era a lavadeira do príncipe Louis.
Uma nova constituição, promulgada em 1962, aboliu a pena de morte, permitiu o voto feminino e nomeou uma Corte Suprema para garantir as liberdades básicas.
Em maio de 1993, o Principado tornou-se membro oficial das Organizações das Nações Unidas.

**Política**
Forma de Governo - Monarquia Parlamentar.
A Constituição atual está em vigor desde 17 de dezembro de 1962.
O Príncipe Rainier III foi soberano e chefe de Estado de 9 de Maio de 1947 até Março de 2005, quando foi substituído pelo seu filho Albert II. Morreu no dia 6 de Abril de 2005, após complicações com uma infecção do pâncreas.
Jean-Paul Proust é o primeiro-ministro e chefe de governo desde julho de 2005.
O legislativo possui uma câmara com 24 membros eleitos para um período de 5 anos.

**Geografia**
Mônaco é um pequeno principado situado ao sul da França. O território monegasco, ampliado em mais de 30ha, entre 1969 e 1972, com terrenos ganhos no mar, estende-se por quase 3 km, ao longo da costa ligúrica-provençal.
O principado encontra-se protegido pelos contrafortes dos Alpes Marítimos (Tête de Chien, 573 m; monte Agel, 1.100 m).
Goza de um clima mediterrânico muito suave no inverno e apresenta uma vegetação exuberante, o que explica que, em meados do século XIX, se tenha convertido em estância balneária e se tornado um centro turístico de fama mundial.

**Demografia**
Apenas 16% dos habitantes são monegascos. Os demais habitantes são franceses (47%), italianos (16%) e outros (21%).
O idioma oficial é o francês, mas falam-se várias outras línguas devido às variadas origens de seus habitantes. Dentre estas as principais são o monegasco, o inglês e o italiano.
A religião predominante é o Catolicismo, mas há também anglicanos, judeus e protestantes.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Festas Juninas

0 comentários

Origem da Festa Junina 
Existem duas explicações para o termo festa junina. A primeira explica que surgiu em função das festividades ocorrem durante o mês de junho. Outra versão diz que está festa tem origem em países católicos da Europa e, portanto, seriam em homenagem a São João. No princípio, a festa era chamada de Joanina.

De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial (época em que o Brasil foi colonizado e governado por Portugal).

Nesta época, havia uma grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. Da península Ibérica teria vindo a dança de fitas, muito comum em Portugal e na Espanha.

Todos estes elementos culturais foram, com o passar do tempo, misturando-se aos aspectos culturais dos brasileiros (indígenas, afro-brasileiros e imigrantes europeus) nas diversas regiões do país, tomando características particulares em cada uma delas.

∞ Festas Juninas no Nordeste ∞
Embora sejam comemoradas nos quatro cantos do Brasil, na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. O mês de junho é o momento de se fazer homenagens aos três santos católicos: São João, São Pedro e Santo Antônio. Como é uma região onde a seca é um problema grave, os nordestinos aproveitam as festividades para agradecer as chuvas raras na região, que servem para manter a agricultura.

Além de alegrar o povo da região, as festas representam um importante momento econômico, pois muitos turistas visitam cidades nordestinas para acompanhar os festejos. Hotéis, comércios e clubes aumentam os lucros e geram empregos nestas cidades. Embora a maioria dos visitantes seja de brasileiros, é cada vez mais comum encontrarmos turistas europeus, asiáticos e norte-americanos que chegam ao Brasil para acompanhar de perto estas festas.

∞ Comidas típicas ∞ 
Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento. Pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo de milho são apenas alguns exemplos.
Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.

∞ Tradições ∞ 
As tradições fazem parte das comemorações. O mês de junho é marcado pelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Os balões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função das leis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam.

No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.

Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.

Como Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro, são comuns as simpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de junho, as igrejas católicas distribuem o “pãozinho de Santo Antônio”. Diz a tradição que o pão bento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nunca ocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer deste pão.


Música de Festa Junina

CAI, CAI, BALÃO

Cai, cai, balão.
Cai, cai, balão.
Aqui na minha mão.
Não vou lá, não vou lá, não vou lá.
Tenho medo de apanhar.

(pesquisa retirada da internet)


terça-feira, 17 de junho de 2008

para as minhas amigas...

0 comentários
Poema do amigo aprendiz

"Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos. 
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder. 
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida, 
Da maneira mais discreta que eu souber. 
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar. 
Sem forçar tua vontade. 
Sem falar, quando for hora de calar. 
E sem calar, quando for hora de falar. 
Nem ausente, nem presente por demais. 
Simplesmente, calmamente, ser-te paz. 
É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender! 
E por isso eu te suplico paciência. 
Vou encher este teu rosto de lembranças, 
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias..."
(Fernando Pessoa) 


domingo, 15 de junho de 2008

Aliança

0 comentários
POR QUE A ALIANÇA SE USA NO 4º DEDO

Os Chineses têm uma explicação muito bonita:
usamos a aliança no quarto dedo porque é impossível separar uma mão da outra quando ligada pelo quarto dedo.
Assim é a união do casal .
Cada dedo da mão representa um membro da família:

Polegar - representa os pais
Indicador - representa os irmãos
Médio - representa você
Anular - representa o companheiro
Mínimo - representa os filhos

O polegar pode ser separado, pois você ao casar se separa dos pais.
Os irmãos e os filhos um dia também vão se separar de você, pois casarão e terão suas próprias famílias. Assim o indicador e o dedo mínimo também podem se separar.
No entanto, o quarto dedo, ou seja o anular, onde está a aliança de casamento, não se separa, simbolizando a união indissolúvel do casal.

O costume de se usar a aliança no 4° dedo da mão esquerda vem da alta antiguidade, lá da Mesopotâmia e adjacências, pois naquela época era crença geral que esse dedo estaria ligado diretamente ao coração. Da mesma forma, ao contrário das crenças populares atuais, acreditava-se que um primeiro passo deveria ser sempre dado com o pé esquerdo para trazer boa sorte, justamente por conta da posição do coração. É interessante observar que as altas personalidades assírias, babilônicas, persas e até egípcias, eram quase sempre representadas em estátuas e pinturas com o pé esquerdo à frente, mesmo sentadas.


Outra fonte diz que esse anel, aliança, surgiu entre os gregos e os romanos, vindo de um costume hindu de usar um anel para simbolizar o casamento. Os romanos acreditavam que no quarto dedo da mão esquerda passava uma veia (veia d'amore) que estava diretamente ligada ao coração, costume carregado culturalmente até os dias de hoje.


No início a aliança era tida como um certificado de propriedade da noiva, ou de compra da noiva, indicando que a mesma não estava mais apta a outros pretendentes. A partir do século IX a igreja cristã adotou a aliança como um símbolo de união e fidelidade entre casais cristãos.
Muitas crenças nasceram então, como exemplo o fato de que os escoceses dizem que a mulher que perde a aliança está condenada a perder o marido.



Arnaldo Jabor

0 comentários
Seja um idiota

A idiotice é vital para a felicidade

Gente chata essa que quer ser séria, profunda e visceral sempre.
Putz! A vida já é um caos, por que fazermos dela, ainda por cima, um tratado? Deixe a seriedade para as horas em que ela é inevitável: mortes, separações, dores e afins. No dia-a-dia, pelo amor de Deus, seja idiota!


Ria dos próprios defeitos. E de quem acha defeitos em você. Ignore o que o boçal do seu chefe disse. Pense assim: quem tem que carregar aquela cara feia, todos os dias, inseparavelmente, é ele. Pobre dele.

Milhares de casamentos acabaram-se não pela falta de amor, dinheiro, sexo, sincronia, mas pela ausência de idiotice. Trate seu amor como seu melhor amigo, e pronto. Quem disse que é bom dividirmos a vida com alguém que tem conselho pra tudo, soluções sensatas, mas não consegue rir quando tropeça?
hahahahahahahahaha!...

Alguém que sabe resolver uma crise familiar, mas não tem a menor idéia de como preencher as horas livres de um fim de semana? Quanto tempo faz que você não vai ao cinema?

É bem comum gente que fica perdida quando se acabam os problemas. E daí, o que elas farão se já não têm por que se desesperar? Desaprenderam a brincar. Eu não quero alguém assim comigo. Você quer? Espero que não.

Tudo que é mais difícil é mais gostoso, mas... a realidade já é dura; piora se for densa. Dura, densa, e bem ruim. Brincar é legal. Entendeu?
Esqueça o que te falaram sobre ser adulto, tudo aquilo de não brincar com comida, não falar besteira, não ser imaturo, não chorar, não andar descalço, não tomar chuva. Pule corda!

Adultos podem (e devem) contar piadas, passear no parque, rir alto e lamber a tampa do iogurte. Ser adulto não é perder os prazeres da vida e esse é o único "não" realmente aceitável. Teste a teoria. Uma semaninha, para começar. Veja e sinta as coisas como se elas fossem o que realmente são: passageiras.

Acorde de manhã e decida entre duas coisas: ficar de mau humor e transmitir isso adiante ou sorrir... Bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração!

Aliás, entregue os problemas nas mãos de Deus e que tal um leitinho gostoso agora? "A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios".
"Por isso cante, chore, dance e viva intensamente antes que a cortina se feche"

******

Estamos com fome de amor

Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros
e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam
sozinhas e saem sozinhas. Empresários, advogados, engenheiros que
estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos.
Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os
novíssimos "personal dance", incrível. E não é só sexo não, se fosse, era
resolvido fácil, alguém duvída?
Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber
carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas
de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber
que vão "apenas" dormir abraçados, sabe essas coisas simples que
perdemos nessa marcha de uma evolução cega. Pode fazer tudo, desde
que não interrompa a carreira, a produção.
Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber
como voltar a "sentir", só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão
distante de nós.
Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada no site de
relacionamentos ORKUT, o número que comunidades como:
"Quero um amor pra vida toda!", "Eu sou pra casar!" até a desesperançada
"Nasci pra ser sozinho!" Unindo milhares ou melhor milhões de solitários
em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos,plásticos,
quase etéreos e inacessíveis.
Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos a
cada dia mais belos e mais sozinhos. Sei que estou parecendo o solteirão
infeliz, mas pelo contrário, pra chegar a escrever essas bobagens
(mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar
essa verdade de cara limpa.
Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio,
démodé, brega.
Alô gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer
ridículos, abobalhados, e daí?
Seja ridículo, não seja frustrado, "pague mico", saia gritando e
falando bobagens, você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o
tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais
(estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua,
talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade
de um sorriso à dois.
Quem disse que ser adulto é ser ranzinza, um ditado tibetano diz que
se um problema é grande demais, não pense nele e se ele é pequeno
demais, pra quê pensar nele ? Dá pra ser um homem de negócios e tomar
iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si
mesma por ser estabanada; o que realmente não dá é continuarmos
achando que viver é 'out', que o vento não pode desmanchar o nosso
cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: "vamos
ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois ou quem
sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo,
tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida".


sobre mulheres...

0 comentários
"Mulheres não são humanas
São anjos, espiãs de Deus
Aqui colocadas para cuidar
Da vida e do amor, zelando
Por toda a obra da criação...

Criadas com pedaços do universo
Seus olhos são estrelas
De sua face a lua reflete a luz.
Seu coração um infinito de saber
Seus braços, morada de carinho e calor...

Mulheres choram de alegria e de sofrer
Choram por qualquer motivo, ate sem querer
Choram porque são suas lagrimas que alimentam
As flores e fazem doce os frutos...

A elas foi dada a cândida beleza dos anjos
O dom da vida gerando os filhos do senhor.

É tanto a falar da mulher que toda tinta e papel
E todas as línguas faladas e escritas é pouco...
...Para o mínimo delas descrever.

E Deus em seu supremo saber
Se houvesse de escolher...
...Com certeza mulher haveria de ser."
(AlexSimas)

Fernando Pessoa

0 comentários
"Não se acostume com o que não o faz feliz,
revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças,
mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue..."



Carlos Drummond de Andrade

0 comentários
Ausência 

"Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim."


sexta-feira, 13 de junho de 2008

Santo Antônio

0 comentários
SANTO ANTÔNIO
Santo Antônio é conhecido como Santo de Lisboa (Portugal). Por ter nascido nessa cidade portuguesa, e também como o santo de Pádua, por ter morrido em Pádua (Itália).
Fiel imitador de Cristo, humilde, carismático e taumaturgo, foi um exímio pregador do Evangelho. Amante da pobreza e dos pobres, defendia os deserdados e explorados.
Discípulo de São Francisco, seu pai espiritual, Antônio também amava a natureza e a solidão. Quando não era ouvido pelas pessoas, dirigia-se às aves e aos peixes.
Passava muitos dias em meditação e oração em lugares afastados, longe do barulho e da agitação das cidades.
Enquanto rezava em um desses eremitérios, recebeu a visita do Menino Jesus. Em razão dessa aparição, Santo Antônio é representado carregando o Menino Jesus nos braços. O lírio que aparece nos braços ou nos pés, é o símbolo da pureza. A sua mensagem de fé e de amor para com Deus e a sua caridade para com os pobres continuam atuais. Sal da terra e luz do mundo, Santo Antônio é tão procurado pelas pessoas que se tornou um dos santos mais populares do mundo.
Em sua companhia, procuremos reencontrar o verdadeiro sentido da nossa vida, a fé em Deus, o amor para com os mais pobres e uma esperança inabalável na Divina Providência.
Sejamos gratos a Deus por ter dado um padroeiro tão poderoso, a quem podemos recorrer em nossas necessidades, porque nunca se ouviu dizer que quem recorresse à sua intercessão não fosse atendido.

*Um santo popular*
Antônio de Pádua, manifestava o papa Leão XIII, é um dos santos que melhor conquistou o coração do povo fiel. É conhecido, invocado e amado no mundo inteiro.
Em sua biografia ocorre uma confluência de lenda, tradição e história difícil de separar. É o santo da lenda e das tradições populares que ressuscita mortos e cura doenças; que tem o dom da onipresença e que alivia os bolsos dos ricos em benefícios dos pobres; que consegue restituir as coisas perdidas e não deixa que se frustrem as esperanças das jovens casadoiras; é o santo invocado antes de se iniciar uma viagem, e que conversa amigavelmente com o Menino Jesus que descansa em seus braços.

Tentar investigar a veracidade dessas atribuições estaria fora de propósito. Não é nossa intenção menosprezar esse acúmulo de episódios míticos, mas aqui procuremos relatar fatos estritamente históricos que vão enriquecer ainda mais, se isso é possível, a sua figura: grande missionário, popular na Itália e na França; grande conhecedor da Bíblia, o que lhe valeu o título de doutor evangélico; autor de sermões preservados até os nosso dias; e inspirador do "Pão dos Pobres", uma das instituições sociais mais eficientes, inclusive na atualidade.


*simpatias*
  • À meia-noite do dia 12 de junho, quebre um ovo dentro de um copo com água e o coloque no sereno. No dia seguinte, interprete o desenho que se formou. Se aparecer algo semelhante a um vestido de noiva, véu ou grinalda, o casamento está próximo.

  • Para a pessoa saber se o futuro companheiro será jovem ou mais velho, é preciso arranjar um ramo de pimenteira. De olhos fechados, ela deve pegar uma das pimenteiras. Se a escolhida for verde, ele será jovem. Caso contrário, o casamento acontecerá com alguém de idade avançada.

  • A tradição popular acredita que há uma forma especial de fazer as pazes entre casais brigados. Para isso, é preciso um cravo e uma rosa. Os talos devem ser amarrados juntos com uma fita verde, na qual serão dados 13 nós. Durante o procedimento, o devoto deve pensar que Santo Antônio vai uni-los outra vez.

  • Para descobrir se falta muitos anos para a grande data, na véspera do dia 13 de junho, à meia-noite, amarre uma aliança – que pode ser de qualquer parente – numa linha ou num fio. Coloque um copo sobre a mesa e segure o fio de modo que a aliança esteja dentro do copo. Pergunte, então, quantos anos faltam para o casório. O número de batidas informa quantos anos ainda restam para o Dia D.

pesquisa feita em: www.rosamarc.com.br


Catarina II da Rússia

0 comentários
Catarina, a Grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Catarina II (russo:Екатэрина Алэксэевна, Iekaterina Alekseievna), chamada a Grande (nascida com o nome de Sofia Augusta Frederica de Anhalt-Zerbst (alemão Sophie Friederike Auguste von Anhalt-Zerbst) a 21 de Abril de 1729 em Stettin, Prússia - falecida em 6 de Novembro 1796 em Tsarkoie Selo, próximo a São Petersburgo) foi imperatriz da Rússiade 1762 a 1796. Era prima de Gustavo III da Suécia e de Carlos XIII da Suécia.
Durante seu governo realizou uma ampla reforma na sociedade russa, modernizando-a. É considerada um exemplo de monarca do despotismo esclarecido. Graças a esta modernização a Rússia logrou obter grande desenvolvimento e a imperatriz, ainda que sendo da origem estrangeira, tornou-se muito popular.

De princesa alemã a imperatriz russa
Princesa alemã, Sofia nasceu na cidade de Estetino (hoje Szczecin, na Polónia), filha do duque Cristiano Augusto de Anhalt-Zerbst e de Joana Isabel Holstein-Gottorp. Várias descrições retratam Sofia como uma criança curiosa e impertinente. Em Fevereiro de 1744, com quinze anos, foi viver para a Rússia, escolhida pela imperatriz - a czarina Isabel Petrovna - como esposa do seu sobrinho e herdeiro, o grão-duque Pedro Fedorovitch. Sofia alterou o seu nome para Catarina quando foi admitida na Igreja Ortodoxa Russa. O casal contraiu núpcias a 21 de Agosto de 1745 em São Petersburgo. Catarina esforçou-se por aprender a língua russa e a história do seu novo país. O seu casamento revelou-se um fracasso, devido à indiferença e esterilidade de Pedro, incapaz de gerar o desejado herdeiro. Catarina ocupa parte considerável do seu tempo a ler obras de filosofia e história, tendo adquirido uma grande cultura. Em 1754, dá à luz um menino, o futuro Paulo I, fruto da relação que manteve com Sergius Saltykov, um militar do exército; houve aceitação da criança por Pedro como seu filho legítimo.
Em Janeiro de 1762, a czarina Isabel Petrovna morre, e Pedro Fedorovitch subiu ao trono com o nome de Pedro III. As suas políticas de aproximação à Prússia deFrederico II, a introdução no exército das violentas técnicas de treino militar prussianas e a sua exigência de que os bens da Igreja fossem administrados por funcionários leigos provocaram um descontentamento geral. Ao mesmo tempo, Catarina temia que Pedro a repudiasse para casar com a sua amante, Isabel Vorontsova. Em Junho do mesmo ano, Grigori Orlov, o novo amante de Catarina e membro da guarda imperial, liderou um levante que afastou Pedro. O golpe, pacífico e apoiado por amplos setores da sociedade, conduziu Catarina ao poder; Pedro acabaria por abdicar, tendo sido assassinado pouco tempo depois por Orlov. Catarina foi coroada imperatriz da Rússia a22 de Setembro de 1762 na Catedral da Dormição do Kremlim de Moscovo. Seria o princípio de um glorioso e autocrático reinado de trinta e cinco anos.
Autocrata convicta, mostrou-se, entretanto, protetora dos “filósofos” e dos artistas franceses. Construiu escolas, hospitais e reestruturou o saneamento da cidade de São Petesburgo, tendo ainda planejado e determinado os materias de construção e as fachadas dos prédios de 216 novas cidades russas. Manteve correspondência comVoltaire. Sufocou a revolta dos cossacos (1774), reformou a administração (1775) e encorajou a valorização das regiões da Ucrânia e do Volga. Em 1783 ordenou a fundação da academia russa. Em seu reinado, o território da Rússia cresceu em 500 mil hectares, a expensas da Turquia (1787) e da Polônia (1793 e 1795).
Durante seu reinado enfrentou o Império Otomano, derrotando-o em várias ocasiões.


Precedida por: Pedro III
Imperatriz da Rússia -  (28 de junho de 1762 - 6 de novembro de 1796)
Sucedida por: Paulo I

 
© 2008 Espaço dos anjos  |  Templates e Acessórios por Elke di Barros