domingo, 30 de novembro de 2008

Corinthians na série A

0 comentários
Timão se despede como o melhor da história

Com os titulares e boa parte dos reservas já de férias, o Corinthians entrou no gramado do Machadão, na tarde deste sábado, com um time C para se despedir da Série B do Brasileiro. Para os paulistas, a derrota não tirou o feito de registrar a melhor campanha da história da Série B. Com 85 pontos, em 38 rodadas, o Timão somou 74,56% do que disputou. Ganhou daquele Palmeiras de 2003, que teve 74,28% de aproveitamento.
  • Aos corintianos, valeu pelo adeus à Segundona...

Terminou assim
tabela final com os primeiros 10 colocados

sábado, 29 de novembro de 2008

Dia de Ação de Graças

1 comentários

Feriado americano na 4ª. quinta feira do mês de novembro.



Em 1620, o navio Myflower, levou para a América, famílias puritanas que fugiam da perseguição religiosa da Inglaterra. Elas fundaram as 13 colônias que se transformariam depois nos EUA. O primeiro ano foi difícil para os recém-chegados. Enfrentando frio, feras e trabalho duro com a ajuda dos índios. No ano seguinte, tiveram uma colheita abundante. Emocionados e agradecidos os colonos colheram os melhores frutos e convidaram os índios para uma festa em louvor a Deus.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Maria Antonieta Habsburgo da França

0 comentários
Maria Antonieta de Áustria (Maria Antônia Josefa Joana de Habsburgo-Lorena) (Viena, 2 de novembro 1755 -Paris, 16 de outubro 1793), arquiduquesa da Áustria e rainha consorte de França de 1774 até a Revolução Francesa, em 1789. Maria Antonieta era a filha mais nova de Maria Teresa de Habsburgo e de Francisco Estêvão de Lorena, respectivamente, rainha soberana da Áustria e imperador do Sacro Império Romano Germânico. Casou-se em 1770, aos catorze anos de idade, com o delfim francês Luís Augusto, que, em 1774, tornou-se o rei de França, com o nome de Luís XVI.

Infância
A infância de Maria Antonieta teve como cenário a corte de Viena. Ainda é conhecido hoje em dia o seu noivado com Mozart, o grande compositor, que, sendo então apenas uma criança de 5 anos, acreditava ingenuamente estar noivo da formosa filha dos soberanos do Sacro Império Romano-Germânico. Sua formação foi católica conservadora rígida.
A sua mãe, a Imperatriz Maria Teresa da Áustria, seguindo a prática dos soberanos da época, colocou o casamento dos seus filhos ao serviço da sua política externa. Sua filha Maria Cristina, regente dos Países Baixos desde 1681, pôde casar por amor com Alberto de Saxe, em 1776, mas tal não aconteceu com as outras filhas: Maria Amélia (1746-1804) casou com Fernando I, duque de Parma (1751-1802); Maria Carolina (1752-1814) casou com Fernando I, rei de Nápoles e das Duas-Sicílias (1751-1825). O casamento de Maria Antonieta com o delfim (príncipe real) de França, Luís Augusto, futuro Luís XVI, foi o corolário de uma política que visava a reconciliação da Casa de Habsburgo com a Casa de Bourbon, limitando assim as ambições da Prússia e Inglaterra. (na foto M.Antonieta com 12 anos)

A vida de delfina
Sendo filha da Imperatriz da Áustria, Maria Antonieta estaria vocacionada a exercer alguma influência política na França. Casou em 1770, com apenas catorze anos, tornando-se rainha com dezoito anos ou seja quatro anos depois, quando o seu marido foi coroado rei Luís XVI. No início da sua vida em Versalhes, num piscar de olhos, Maria Antonieta usou sua nova posição para criar uma certa "fantasia". Dispensou boa parte das damas de companhia, e povoou a corte de gente jovem e elegante. A Rainha adorava organizar corridas de cavalo, e se divertia em passeios de carruagem. Estas, por ordem dela, corriam a toda velocidade. O que mais fascinava Maria Antonieta, entretanto, eram as festas das noites parisienses, e a animação das mesmas. Freqüentava óperas, teatros, e participava de bailes. Nestes, as mulheres compareciam mascaradas. Assim, podia se misturar com plebeus, sem ser, no entanto, reconhecida. Luís XVI não se incomodava em deixá-la ir se divertir sem ele. Maria Antonieta teve várias amigas, como a princesa de Lamballe e a duquesa de Polignac. Maria Antonieta, também, interessou-se pela filosofia política, história, e literatura, subsidiando autores como Mercier, um dos primeiros dramaturgos e teóricos do teatro romântico em França. O período antes da revolução foi de grande atividade literária, sem qualquer censura. Em 1788, a tortura chegou a ser abolida.

A vida de rainha
Em 1774, com a morte de Luis XV, seu marido Luís Augusto foi coroado como Luís XVI. O povo a amava mas ainda era vítima de piadas por não gerar um filho. Entretanto, em 1781 Maria Antonieta teve sua primeira filha, Maria Teresa Carlota.

A vida no Petit Trianon
Ao ter sua primeira filha, Luis XVI, seu esposo, deu-lhe de presente o célebre Petit Trianon, um palácio de pequenas dimensões nas imediações de Versalhes, o qual denominou "novo refúgio". Existindo, afinal, uma "mini-villa" campestre, onde havia vários animais do campo, uma horta e, obviamente, criados para a manutenção do espaço, Maria Antonieta tornou-se mais simples, algo notável nas suas roupas, que se tornavam agora menos complexas e luxuosas. Supostamente, ali terá conhecido o conde Fersen, com quem manteve um romance. Porém este tempo de paz veria o fim brevemente, após diversos escândalos do interior do palácio que viraram manchetes políticas, e de um Inverno rigoroso, que destronou a produção agrícola e emergiu a população num autêntico morticínio, devido à escassez de alimentos e ao frio e, consequentemente, à fome. Estava prestes a começar o declínio de Maria Antonieta. (na foto M.Antonieta na fase rural)

O declínio
Tendo desautorizado as reformas financeiras propostas por Turgot e Necker, os seus inimigos apelidaram-na de "a austríaca", "madame" ou "rainha do déficit". O escândalo provocado pelo caso do colar de diamantes e a campanha de panfletos denegrindo a sua imagem levou-a a um certo isolamento, deixando de receber audiências de nobres e literatos, o que a afastou ainda mais da alta sociedade francesa. Atribui-se, à Maria Antonieta, uma famosa frase: "Se não têm pão, que sirvam brioches", que teria sido proferida a uma de suas camareiras certa vez que um grupo de pobres foi ao palácio pedir pão para comer. No entanto, é consenso entre os historiadores que a rainha nunca disse a frase, que acabou sendo usada contra ela durante a Revolução Francesa. Os registros históricos mostram, claramente, que, na época de sua coroação, Maria Antonieta se angustiava com a situação dos pobres. Em uma de suas cartas à mãe, ela chega a comentar o alto preço do pão. Diz, também, o seguinte: "Tendo visto as pessoas nos tratarem tão bem, apesar de suas desgraças, estamos ainda mais obrigados a trabalhar pela felicidade deles".

A Revolução
Em 1789, a família real foi detida no palácio de Versailles e levada pelos revolucionários para o Palácio das Tulherias. Ficou aí detida com seu marido e filhos, até que, em 1792, com o auxílio do conde Axel Fersen, foi tentada uma fuga, mas foram reconhecidos e detidos quando passavam em Varennes. Esse episódio ficou conhecido como a "Noite de Varennes".
Durante a Revolução, os seus inimigos alegavam que ela recusava as possibilidades de acordo com os moderados, procurando que o rei favorecesse os extremistas para inflamar mais a batalha. Depois da fuga e prisão em Varennes, alegavam também que ela procurava romper um conflito bélico entre França e Áustria, esperando a derrota francesa.
Depois da execução de Luís XVI, Maria Antonieta ficou conhecida como "Viúva Capeto", sendo condenada à morte por traição, morrendo na guilhotina em 16 de Outubro de 1793.

O julgamento
Maria Antonieta sentou-se sobre um assento de madeira. Dois meses de Conciergerie haviam feito daquela rainha de 38 anos uma velha. Seus olhos estavam vermelhos de tanto chorar, com hemorragia e os seus cabelos loiros ficaram brancos. O presidente procedeu o interrogatório. Quando lhe foi perguntado seu nome, a acusada respondeu, com voz alta e clara: "Maria Antonieta da Áustria e da Lorena, trinta e oito anos, viúva do rei da França."
As perguntas sucederam-se de modo desordenado, algumas sem a menor importância. De repente, houve o testemunho sensacional de um sapateiro, um certo Simon: Maria Antonieta, durante seu cativeiro, teria submetido seu jovem filho a atos incestuosos. A acusada ficou pálida e visivelmente emocionada: "A natureza se recusa a permitir tal acusação feita a uma mãe", gritou ela: "Eu apelo a todas as mães que por ventura aqui estiverem". Esse tom sofrido produziu sobre todos uma forte impressão. As pessoas recusaram-se a acreditar em tamanha monstruosidade. Em seguida, foi a vez das testemunhas. Quarenta e uma pessoas desfilaram por ali, sem fazer qualquer contribuição útil ao processo. No interrogatório, ela foi acusada de ser a instigadora da Guerra Civil.
  • Maria Antonieta foi condenada à morte e foi decapitada no dia 16 de outubro de 1793. Ela foi ao suplício numa gaiola (Luis XVI teve um carrossel). Seu corpo foi colocado numa fossa comum ao lado de seu marido e após o regresso dos Bourbons, após a derrota de Napoleão, os corpos foram sepultados na Basílica de Saint-Denis (perto de Paris) e no sítio da fossa comum foi edificada a "Capela Expiatoire".
Descendência
teve 4 filhos:
  1. Maria Teresa Carlota ( 1778 -1851 ) casou com seu primo Luis Antonio Artois (filho de Carlos X, irmão de Luis XVI) - sem descendência
  2. Luis (1781-1789) 
  3. Luis XVII ( 1785 - 1795 ) morreu na prisão 
  4. Marie Sophie Hélène Béatrice ( 1786 - 1787)
Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre

Dica: Leia o livro 'Maria Antonieta, 
a última rainha da França' de 
Evelyne Lever da Editora Objetiva.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Dia da Bandeira

0 comentários
Hino à bandeira do Brasil
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
  • O Hino à Bandeira do Brasil tem letra de: Olavo Bilac (1865-1918), música de Francisco Braga (1868-1945) e foi apresentado pela primeira vez a 15 de Agosto de 1906.

Salve, lindo pendão da esperança,
Salve, símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Contemplando o teu vulto sagrado,
Compreendemos o nosso dever;
E o Brasil, por seus filhos amados,
Poderoso e feliz há de ser.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre, sagrada bandeira,
Pavilhão da Justiça e do Amor!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

O disfarce

0 comentários


Cansado da sua beleza Angélica, o Anjo vivia ensaiando caretas diante do espelho. Até que conseguiu a obra prima do horror. Veio, assim, dar uma volta pela Terra. E Lili, a primeira meninazinha que o avistou, põe-se a gritar da porta para dentro da casa: "Mamãe! Mamãe! Vem ver como o Frankenstein está bonito hoje!". 
(Mário Quintana)

sábado, 15 de novembro de 2008

Brasil, 15 de novembro de 1889

0 comentários
Brasil República

Com o golpe militar de 15 de novembro de 1889, que depôs Dom Pedro II, o Brasil deixa de ser um Império após o baile da despedida. A partir do ato simbólico da Proclamação da República do Brasil pelo Marechal Deodoro da Fonseca, formalizado em 15 de novembro de 1889, um novo tipo de regime é estabelecido e, assim, surgindo um novo período da história brasileiradenominado Brasil República que perdura até hoje. Após a formação da república, o Brasil teve vários nomes posteriores, conforme as alterações no governo, incluindo "Estados Unidos do Brasil".
  • "República Federativa do Brasil" é o nome oficial atual do Brasil, uma democracia presidencialista, reestruturada em 1986 com o fim do Regime Militar Ditatorial inserido e formalizado em 1 de abril de 1964 pelo Exército Brasileiro.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Um anjo na Terra

0 comentários
O Universo contraiu-se, as estrelas brilharam, a Lua sorriu, o Caos ficou no esquecimento, o uivo ecoou nos ares, a Aurora rompeu, o Sol saudou a Terra, a Vida surgiu....
E...eis que aos olhos do meu coração foi dado o Dom de ver um Anjo descer dos Céus até junto de mim.
Trazia o Dom da humildade no coração, na face o Amor ao próximo, nas mãos a minha Felicidade, nos olhos a compaixão.
Pedi-lhe que comigo ficasse, pois a vida não tinha encanto.
Escutou, chorou, sorriu, benção que alguém tão pequenino me escutasse, já que nunca ninguém me ouviu.
Gritei aos Céus, pedi a Deus, que mo desse de presente no futuro, não queria mais nada nesta vida, senão essa Luz que me guiasse no escuro. O Universo contraiu-se novamente, o Sol sorriu num ar angelical, as asas do anjo docemente caíram, para mim seus olhos sorriram, os seus aos meus se uniram, agradecendo a Deus benção tão celestial. Tempestades caíram, obstáculos... hei-los a cada momento, promessas de dias melhores surgiam, mas....Alegrias.....só no esquecimento.
Mas tu Meu Anjo, olhos do meu coração, com o teu sorriso me estendias a mão, e com lágrimas no coração, os teus olhos dos meus fugiam para que te não visse a dor, ao mesmo tempo que me prometiam um puro e eterno amor.
Se há algo nesta vida que valha a pena lutar, é pelo Anjo que um dia comigo quis ficar.
E quando já cansada desta vida me encontrar, presente que nem todo o mundo tem, deixa o meu rosto no teu regaço descansar, e fechando meus olhos com teus dedinhos de querubim, guarda nos olhos do teu coração a lembrança que te ficou de mim.
Eu...que nada tenho para te oferecer, fraca por este mundo não poder vencer...
Eu ...que nada fui...nada sou.....
... simplesmente tua mãe.
(Eva Oliveira)

sábado, 8 de novembro de 2008

Barack Obama - presidente dos EUA

0 comentários


Barack Hussein Obama II
Ele tem 47 anos, nasceu a 4 de agosto de 1961, Honolulu no estado do Hawai(EUA), filho de pai queniano - Barack Obama e mãe americana - Ann Dunham. Após o segundo casamento da mãe em 1967, mudou para a Indonésia até os 10 anos de idade, quando voltou para os EUA, para morar com os avós maternos. Casado com Michelle Obama, pai de duas meninas: Malia e Natasha. No pleito de 4 de novembro de 2008 Obama foi eleito o 44º presidente dos Estados Unidos da América, vencendo seu adversário John McCain, por uma diferença de 52% a 47% no total de votos.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

dicas de livros

0 comentários
Cem anos de Solidão
de Gabriel García Márquez
Editora Record - romance 

A triste história dos Buendía, a estirpe de solitários para a qual não será dada "uma segunda oportunidade sobre a terra", pode ser entendida como uma autêntica enciclopédia do imaginário, ela é narrada de modo a parecer sempre que tudo faz parte da mais banal realidade. Tudo se passa na fictícia Macondo, cidade fundada pelos Buendías, onde tudo pode acontecer.

domingo, 2 de novembro de 2008

Noite dos mascarados

0 comentários

de: Chico Buarque de Holanda

- Quem é você?
- Adivinha se gosta de mim
Hoje os dois mascarados procuram os seus namorados perguntando assim:
- Quem é você, diga logo...
- ...que eu quero saber o seu jogo
- ...que eu quero morrer no seu bloco...
- ...que eu quero me arder no seu fogo
- Eu sou seresteiro, poeta e cantor
- O meu tempo inteiro, só zombo do amor
- Eu tenho um pandeiro
- Só quero um violão
- Eu nado em dinheiro
- Não tenho um tostão...Fui porta-estandarte, não sei mais dançar
- Eu, modéstia à parte, nasci prá sambar
- Eu sou tão menina
- Meu tempo passou
- Eu sou colombina
- Eu sou pierrô
Mas é carnaval, não me diga mais quem é você
Amanhã tudo volta ao normal
Deixa a festa acabar, deixa o barco correr, deixa o dia raiar
Que hoje eu sou da maneira que você me quer
O que você pedir eu lhe dou
Seja você quem for, seja o que Deus quiser
Seja você quem for, seja o que Deus quiser

sábado, 1 de novembro de 2008

Lua adversa

0 comentários

Tenho fases, como a lua.
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua)

No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...
(Cecília Meireles)
 
© 2008 Espaço dos anjos  |  Templates e Acessórios por Elke di Barros